Dancinha

Dancinha

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Luzes na boca do beco

Tom Stone

Para Tutukowski, que deu de encher minha bolinha americana

Aqui se morre um pouco de tudo. Fome. Tristeza. Frio. Doença.

A morte é gesto solitário, chega possessivo, mas aqui entre nós não é costume morrer-se só. Nem é hábito, nesses becos, morte de causa única.

Quando nos olham de lá, onde a vida corre, acreditam ver corpos rotos e mentes maceradas por saudades. Bobagem, a dor quando longa esfacela a saudade. Vida real é a seiva das saudades, e ela já não flui. Nem me lembro se há muito.

Divago entre calafrios. O sol já não me aquece, e do céu vai se apagando o azul que inda agora me acariciava os olhos marejados. O ar me enche os pulmões com uma intensidade desesperada, mas a calma é imensa, mesmo doce. Uma mão que reconheço se intromete em meus cabelos. Deve ser o derradeiro calor que sinto. E ele se mistura ao sopro que meu tímpano capta em estertor: "vai com Deus, meu amor!"

8 comentários:

  1. Antes de entrar no mérito do texto em si, urge afirmar que Tom Stone é um esplêndido fotógrafo. Esta é a foto mais fiel e sensível que alguém já fez do pacóvio do Tuca! Sobretudo pela crueldade - no caso, de muito bom gosto! - em flagrá-lo com o cabeção oco semi-descascado, sem sua bizarra meia-peruca acaju. Sugiro apenas que o crédito da foto seja transferido para o pé da mesma, com o fito de evitar possível associação com a autoria do texto.

    O novo apelido lançado na dedicatória-legenda, Tutukowski, é muito adequado também, embora um tanto ofensivo ao povo polonês e seus "oriundis", em especial ao Charles Bukowski, escritor e poeta americano (assim como sua bolinha) de quem o apedeuta calvo enrustido se diz admirador.

    Por fim, o texto: mais uma das jóias que você, avarento profissional, vinha escondendo debaixo do colchão desde a adolescência. A datagem, creio, é explícita. Como, por exemplo, no trecho "Vida real é a seiva das saudades, e ela já não flui." que remonta àquele período em que você se viu afastado de nossas tertúlias lítero-músico-masturbatórias por força de um entupimento uretral.

    Abração

    ResponderExcluir
  2. Bem,

    Paulo...

    Depois do texto e de ler o comentário aí do seu amigo, Teophanio, paralisada com o golpe que tuas letras me dão, entrando vorazes pelos olhos, boca, narinas e orelhas, buscando almas, permito-me não dizer mais nada, mas pedir o seguinte: escreva-se pra nós, por favor!!!!!

    Abraços fraternais, da que te "aguenta" feliz de satisfação

    Giselle Zamboni

    ResponderExcluir
  3. Giselle, meu conterrâneo familiar (Cordisburgo), Guimarães Rosa, cantou um dia algo assim: "moço -minha mulher que não me ouça!- toda saudade é uma forma de velhice". Pois ando tendo saudade até do que não vivi, talvez principalmente.Essa tal de escrita, pra mim, é meio possessão, passa por mim, como se num susto, e tenho pouco a ver com o que sai (que por vezes leio até meio surpreso). Quando ao primeiro comentarista aí acima, é um amigo carioca "megafrênico" de quem tento fugir há bem umas quatro décadas, com parcos sucessos como se vê. Dependendo do nível de lucidez em que o indigitado se encontra, os personagens vão brotando em seu olhar que se assemelha a parabólicas ensandecidas, perscrutando céus de delírios. Um mero exemplo, conto em voz baixinha, meio em segredo, o malfadado Teophanio foi parido por dona Celina na mesma hora do mesmo dia (distante...) que o Tutukowski que tentei homenagear. E tem que olhar rápido, porque, tal um Saci urbanóide, ele logo some, e reaparece acolá recomposto de cara, voz e manias. Ele mantém um blog por aí, mas não é coisa pra se ver em dia de festas, e, a bem da verdade, nem em outros dias. Obrigado pelo carinho, eu não imaginava que o trilha entre o Twitter e o coração pudesse ser tão curtinha. Beijão.

    ResponderExcluir
  4. Teophanikowski, fiz o que pude para a dar a Tom Stone o que é de Tom Stone. Obrigado, no próximo jogo do Botafogo torcerei para que ele perca de pouco.

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu blog, amigo. parabéns, especial. Tb sou do grupo da marina. bjs

    ResponderExcluir
  6. Em primeiro lugar, jovem ingrato, você não tem o direito de me enxovalhar com o enxoval já amarelecido e embolorado que o pacóvio do Tuca e você mandaram confeccionar para um casamento que não passou de um grande blefe que até hoje cobre de rubor as famílias Zamagna e Saturnino, além de toda a galera do Orgulho Gay.

    E quanto ao futebol, me contrange ver o seu empenho em torcer contra o Fogão, sem poder retribuir. Infelizmente, nem sei mais por onde anda e joga o seu América, se que é que ainda joga, se é que ainda anda.

    ResponderExcluir
  7. Paulim, leitores dele,

    Por favor, não levem a sério o lorpa do Teopha. Não é má pessoa, é às vezes (raras) até um bom amigo, mas é um mitômano incurável. Não existe essa história de "enxoval amarelecido e bolorento". Podem estar certos de que dona Regina e dona Celina o mantêm sempre branco e imaculado.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Paulinho

    Se a comoção causada pelo texto me leva às lágrimas, os comentários me devolvem o riso.

    Quero sempre encontrar o que ler por aqui.

    Um abraço

    ResponderExcluir